Desempenho económico

2015 foi um bom ano para a Brisa. Registámos melhorias substanciais nas principais dimensões relevantes do negócio, desde a consolidação da robustez e da estabilidade financeira da empresa à renovação do modelo de negócio, e passando pelo foco na eficiência operacional e na gestão da geração de caixa e na gestão dos impactos ambientais e sociais.

+ 7,0 % TMD* na BCR
+ 6,8 % Proveitos totais da exploração
+ 7,77 % Receitas de Portagem
+ 9,3 % Geração de caixa
+ 3,16 % Dívida financeira líquida
+ 12,4 % TMD* na NWP

* TMD - Tráfego Médio Diário

Mantendo o foco na robustez e na estabilidade económica, a Brisa confirmou em 2015 os indícios de melhoria verificados em 2014.
Destaca-se a otimização na gestão de custos operacionais e o esforço contínuo para a eficiência como fatores decisivos para o sucesso.

Variação na Circulação

O ano de 2015 assinalou-se por um crescimento sustentado do tráfego nas concessões da Brisa, que se deveu, principalmente, a dois fatores:

  • Recuperação da conjuntura macroeconómica de Portugal;
  • Inexistência de alterações na rede;

Todas as autoestradas Brisa revelaram crescimento de tráfego, sendo mais expressivo nas que combinam as funções profissionais e sazonais, como a A2, A6, A10 e A13. Consequentemente, os proveitos operacionais da Brisa cresceram 6,8% face a 2014, tendo ascendido aos 614,8 milhões de euros.

Este aumento deveu-se exclusivamente ao aumento de tráfego, uma vez que não foram efetuadas alterações nas tarifas de portagem.

 

Notações Rating

Na sequência do crescimento do tráfego e da diminuição da dívida, os rácios financeiros melhoraram, alcançando valores compatíveis com uma notação de rating de investment grade.

Agência  Rating  Outlook
Moody's  Baa3  Stable Outlook
Fitch Ratings  BBB  Stable Outlook