Principais Indicadores Financeiros Consolidados

A Brisa considera a eficiência operacional e o desempenho económico, como um dos pilares da sua gestão.

Proveitos Operacionais

Em 2018, os Proveitos Operacionais do Grupo Brisa atingiram os 747 M€ (crescimento de 9,9% face ao período homólogo), beneficiando da evolução positiva do tráfego na Brisa Concessão Rodoviária (BCR), sua principal concessão. A circulação na rede BCR aumentou 4,3% em 2018.

 

 

As Receitas de Portagem representaram cerca de 79% do total dos proveitos operacionais e registaram um aumento de 35 M€, ou seja 6,4%. Destaque para a evolução positiva das receitas das áreas de serviço, as quais beneficiaram da renegociação de contratos reforçando a dinâmica de melhor experiência ao cliente. No segmento de Tecnologia de Produto continuou a registar-se um crescimento significativo nas vendas realizadas nos EUA.

Proveitos Operacionais Consolidados  (M€)  2017  2018  Variação %
Receitas de Portagem   557,0  592,4                6,4
Serviços  96,9  102,1               5,3
Áreas de Serviço   8,1  17,1           112,7
Outros Proveitos Operacionais  17,3  34,8           101,6
Proveitos Operacionais   679,3  746,5               9,9

 

Resultados Operacionais

O crescimento registado nos custos reflete os investimentos que têm sido realizados para a prestação de serviços de mobilidade para as pessoas, mantendo a Brisa uma preocupação com a otimização e racionalização dos seus custos operacionais. O EBITDA consolidado atingiu 553,7 M€, o que representa um crescimento de 9,4% face ao período homólogo.

 

 

 

Resultados Financeiros

O resultado financeiro de 2017 foi positivamente impactado pela mais-valia resultante da alienação da concessão NorthWest Parkway (NWP) nos EUA (+208 M€). Se efetuada a normalização deste efeito, o resultado financeiro em 2018 apresentaria uma melhoria muito significativa, suportada pela redução dos juros pagos, em consequência da queda do custo médio ponderado da dívida e do montante de dívida líquida.

Resultado Líquido 

Em 2018 o resultado líquido da Brisa registou um decréscimo, situando-se nos 158 M€, com a melhoria da atividade operacional a compensar apenas parcialmente a mais-valia extraordinária registada em 2017 com a já referida venda da concessão NWP.

Investimento

Ao longo de 2018, a Brisa realizou investimentos no montante de 56,8 M€ para melhoria dos níveis de serviço prestados, ao nível da segurança e conforto de quem viaja nas autoestradas, assim como a nível tecnológico, procurando a inovação permanente e a adaptação aos novos desafios dos serviços de mobilidade.

Indicadores Financeiros 

Indicadores Financeiros Consolidados (M€) 2017  2018
Dívida Financeira Líquida  1 903,6  1 739,8
Dívida Financeira Líquida/EBITDA  3,8  3,1
EBITDA/Encargos financeiros  7,5  11,0

 

 

Principais Indicadores de Desempenho (M€) 2016 2017  2018
Proveitos Operacionais  647,6  679,3  746,5
Receitas de Portagem  533,0  557,0  592,4
EBITDA 1 484,3  506,3  553,7
Margem EBITDA 1 74,8%  74,5%  74,2%
EBIT 2  389,6  321,0  362,8
Margem EBIT 2  60,2%  47,3%  48,6%
Dívida Financeira Líquida 3  2 041,5  1 903,6  1 739,8
Dívida Financeira Líquida 3 / EBITDA 1  4,2x  3,8x  3,1x
Resultado líquido          265,4  231,5  158,0

(1) Resultado operacional corrigido de Provisões, Amortizações, Depreciações, Ajustamentos e Reversões.

(2) Resultados antes de Ganhos e Perdas financeiras e impostos.

(3) Dívida nominal deduzida de caixa e equivalentes